quinta-feira

FUXICO DE TERREIRO.... sua razão, sua raíz!


Navegantes segue aí os motivos e os fundamentos da nossa existência! Espero que saciem sua curiosidade!
Uma boa leitura !

1. Resgate do culto de matriz africana, fazendo com que não se percam suas tradições e seus princípios.
2. Identificar o "sagrado" com o dia-a-dia na vida de cada um, fora do espaço de culto.
3. Registro e documentação das tradições para as gerações futuras.
4. Recolher dos encontros mensais experiências, fotos, músicas e textos, a fim de produzir documentários em áudio e vídeo com o registro histórico do "Fuxico de Terreiro".
5. Incentivar a regularização e visibilidade de Ilês e Terreiros (as) e Casas de Nação na cidade. ( Alvorada, RS )
6. Incentivar a elaboração de um Censo Municipal das Casas de Religião de Matriz Africana, juntamente com a Fundação Palmares e os governos Municipal e Estadual.
7. Resgatar a memória, do Centro de Umbanda Fé, Esperança e Caridade, fundado em 1957,
na cidade de Arroio Grande, Rs.

"Fuxico de Terreiro" tem no seu significado mais amplo, "o fazer, realizar amizade muito estreita, namoro descarado, realizado ao ar livre, onde há folguedos e cantos de desafio
(samba de roda) -local onde acontecem danças e cantos ao som do tambor".
Num passado recente, " Fuxico " ou " Fuxico de (no) Terreiro" mais ou menos cinqüenta anos, era o espaço dos encontros semanais, quinzenais ou mensais, nos Terreiros de Batuque e Ilês, nas Casas de Umbanda, onde o Babalaú ou Babalôa, Yalorixá, Mãe-de-Santo, ou ainda Diretora Espiritual, reunia filhos, sobrinhos, netos, afilhados e simpatizantes que estavam se aproximando do "ritual" para narrar histórias, ensinar riscados, ensaiar cânticos e rezas, pontos, bordados e ensaiar a "tirada" de axés (chamada da Santeria).

Na Casa Principal, da mais velha ou mais velho, a que representava na hierarquia a " matriarca", " madrinha", se reunia aos sábados ou aos domingos, após o meio-dia até o cair da noite.

Cada participante ou cada família trazia um prato de salgado ou doce, caprichado, enrolado em papel celofane, quase sempre na cor do Orixá principal da "bacia" do convidado ou de quem recebia a visita, e repartiam entre todos, os sabores da cozinha bem feita, com muito axé!

Discutiam assuntos os mais variados, desde o calendário de atividades anual da família batuqueira, festas pequenas "as quinzenas", as festas populares, as da Igreja Católica do povoado, bem como a festa do calendário principal;
confeccionavam roupas, "achós", bordados, as armas de cada Orixá, ou " ferramentas" e, principalmente, decidiam quem seria o representante do Terreiro para as "festas brasileiras".

Esta atividade foi rareando e hoje, na modernidade do século XXI, são raros os Ilês que mantém este preceito de tradição e raiz.

No nosso ramo Jejé-Ijexá, Araxá de Olocum, matriz e descendência de Célia de Oyá Funiqué e Nélson de Xangô Aganju Deí, ainda preservamos este hábito da troca de energia entre aqueles que conosco comungam a "matriz africana", nem sempre afro-descendente, mas sempre "batuqueiro".

Em Alvorada, desde 1997, resolvemos então colocar no papel e na academia, aquilo que fazemos no nosso dia-a-dia!
Para assim proceder e concretizar:

A -Valorização da cultura afro-descendente através do reconhecimento da religião como patrimônio cultural e realização do registro histórico dos seus componentes para as gerações futuras.

B - Desmistificação da cultura afro-descendente, religião, tradições, música, dança, resgatando a verdadeira identidade do povo brasileiro através da explicitação de suas raízes e origens. Entre outras coisas, espera-se com isto, senão o fim, a diminuição do preconceito racial e religioso haja vista que a intolerância muitas vezes é fruto da falta de conhecimento.

C -Geração de trabalho e renda através da qualificação das pessoas que trabalham com o ritual como, por exemplo, os tamboreiros e as que se dedicam à feitura dos pratos típicos, bem como as bordareiras, costureiras, ervateiras.

Objetivos do nosso Projeto:

1. Realizar encontros mensais, na cidade de Alvorada e Região Metropolitana, com os religiosos de matriz africana e simpatizantes, com o propósito de fortalecer a identidade cultural e de resistência do nosso Ritual.
2
. Partilhar textos, leis, pesquisas, documentários, vídeos e áudios com o coletivo no encontro mensal.
3. Organizar agendas com convidados para troca de saberes universais, preferencialmente aqueles que possuem monografias, teses e livros, publicados ou não, sobre a ancestralidade.
4. Incentivar e organizar uma "corimba" com a participação da sabedoria dos mais velhos, sem nunca desprezar os mais novos, para apresentação interna e externa.
5. Resgatar a sabedoria ancestral, a oralidade dos nossos antepassados, quando for possível, através de depoimentos, fotos, objetos de culto.
6. Registrar e documentar "sambas-de-roda", pontos e axés de Nação e no RS, pesquisar a tradição " Nagô " - Umbanda Cruzada.
7. Consolidar e divulgar a marca " Fuxico de Terreiro" , como espaço coletivo de socialização, inclusão racial, na defesa dos direitos das mulheres negras e lésbicas, contra a Lesbofobia.
8. Produzir
documentários em áudio e vídeo e editar materiais informativos com o registro histórico do "Fuxico de Terreiro".
9. Manter o espaço do Ylê Araxá de Olocum-Reino de Xapanã e Oxum, de interlocução com a comunidade em busca da sua Saúde, física, espiritual e mental.
( 1998 - na Terra de Xangô, Alvorada, Rs)

Minhas amigas e amigos, era isso por enquanto !
Aguardem .... tem mais.... estórias e história prá contar!

" Somos a Memória que não se Cala"
Axé

quarta-feira

IMPORTANTE..... leia e divulgue...!

IMPORTANTE

Durante um churrasco uma amiga tropeçou e caiu no chão suavemente.
Mais tarde o marido ligou para seus amigos informando que sua mulher havia sido levada ao hospital - (às 18:00h ela veio a falecer) Havia sofrido um infarto cerebral durante o churrasco.
Se seu esposo e amigos soubessem como reconhecer um infarto cerebral, talvez hoje ela estivesse entre nós.
Reconhecer um infarto cerebral
Um neurologista afirma que se o chamam dentro das primeiras 3 horas, pode reverter totalmente os efeitos de um infarto cerebral.
Afirma que o macete consiste em reconhecê-lo, diagnosticá-lo e dar assistência ao paciente dentro das primeiras três horas.
Atualmente os médicos estabeleceram uma regra para reconhecê-lo mediante três simples perguntas:
Peça que a pessoa SORRIA.
2. Peça que a pessoa LEVANTE AMBOS OS BRAÇOS.
3. Peça que a pessoa PRONUNCIE UMA FRASE SIMPLES (Coerente)
(por exemplo . . . Hoje é um dia ensolarado)
Se ela tem dificuldade com qualquer uma destas três provas, chame imediatamente o SOCORRO e descreva os sintomas.
Depois de descobrir que um grupo de voluntários que não são médicos podem identificar debilidade facial, debilidade em braços e debilidade na fala, os pesquisadores apelam ao público em geral para que aprenda estas três perguntas.
Uma maior divulgação deste teste pode facilitar um rápido diagnóstico e tratamento do infarto cerebral e evitar danos cerebrais.

Preste atençaõ, esse teste é importante para salvar vidas!
Prevenção é o melhor remédio !

" Liberdade é meu Axé de Fala"!

segunda-feira

Câncer de Mama, podemos evitar.....Dê um click!!!!!




O Instituto do Câncer, como todo mundo sabe, é uma instituição seríssima.


Cabe a nós atender sua solicitação e ampará-lo, pois se depender do Governo (federal, estadual e/ou municipal) será seu fim!

Vamos salvar o site do câncer de mama? Não custa nada. Digam a 10 amigas para dizerem a 10 amigas *hoje*!

O site do câncer de mama está com problemas, pois não tem o número de acessos e cliques necessários para alcançar a cota que lhes permite oferecer UMA mamografia gratuita diariamente a mulheres de baixa renda.

Demora menos de um segundo, *ir ao site e clicar na tecla cor-de-rosa* que diz "*Campanha da Mamografia Digital Gratuita". *

Não custa nada e é por meio do número diário de pessoas que clicam, que os patrocinadores oferecem a mamografia em troca de publicidade..
* PASSEM A 10 AMIGAS PARA PASSAREM A 10 AMIGAS: *
http://www.cancerdemama.com.br/


" Amigas e amigos do blog, a prevenção é o melhor remédio! Vamos clicar !!!!!!!!!!!!!!


" Somos a Memória que não se Cala!"


Axé

domingo

YEMANJÁ: A festa, o mar e alguns cuidados


Mar e Terra e Terra e Mar,
para nós de Matriz Africana é o Princípio da Vida.

A Terra, o Mar, assim como os peixes, são os elementos principais do Princípio da Fartura, o que combina nossa Matriz e nossa Visão de Mundo com a visão também de quem vive do Mar, a Comunidade Tradicional de Pescadores, que do Mar, retira seu sustento. Axé !

Com essa visão de mundo aconselhamos que ao reverenciar a grande Mãe, Yemonjá, Iemanjá ou Yara, utilizem apenas material orgânico ( de rápida decomposição ), para que este ato possa significar o respeito às águas do Mar.
Ao preparar sua oferenda lembre que alguns materiais agridem o meio ambiente.

São êles:
- Tecido de Algodão : 10 anos
- Vela: 2 anos
- Madeira: 10 anos
- Papelão: 04 meses
- Plástico: 500 anos
- Moedas: de 200 a 500 anos
- Metais: 100 anos
- Celofones: cerca de 100 anos.

Estes materiais são inorgânicos e de difícil decomposição !
Que tal retomar a nossa ancestralidade e trabalhar, ofertar à beira do mar, nossos grãos e folhas?

Somos o ritual que cuida da Natureza e com ela interage para todo o sempre, nossos ancestrais também precisam respirar! Pensem nisso !

" Liberdade é nosso Axé de Fala!"

NOTÍCIA TRISTE DA TERRA DOS ORIXÁS ....

22/01/2008 - 15:20:42
Uma Pilha de Cadáveres Negros... Bom dia, Direitos Humanos! Bom dia, Nova Bahia!
Vilma Reis*
Djair Santana de Jesus, negro, 16 anos, estudante do ensino fundamental, com mãe negra chefa de família, foi assassinado pela Polícia Militar da Bahia, na comunidade do Alto da Esperança, na região das Sete Portas, sob a acusação de ter trocado tiros com os policiais da ROTAMO.
As mulheres que protestaram a sua morte foram covardemente espancadas e sua tia, dona Jaciara Santana, foi baleada nas nádegas.
Toda a comunidade presenciou, com medo e tristeza, o sorriso sinistro e jocoso do policial atirador. Mais uma ocorrência rotineira em Salvador, segunda maior cidade negra do planeta, onde ser negro ainda é sinônimo de perigoso, indesejável, fora do lugar e, fundamentalmente, descartável.

Acompanho as ações das polícias na Bahia, desde a Operação Beirú, em 1996, quando o chamado "modelo de tolerância zero ao crime" foi a política de segurança pública dos senhores dos Aflitos, da Piedade e do CAB. Doze anos depois, com o comando da Polícia Militar nas mãos dos mesmos agentes do governo anterior, registramos a ocorrência de 1.307 assassinatos de cidadãos, sendo 96% das vítimas negros, 78% com o envolvimento direto da "polícia do Estado" no ano de 2007, a maioria em Salvador e na sua região metropolitana.

A pergunta que os cidadãos e as cidadãs negras da Bahia fazem a Jaques Wagner, governador de um Estado com 77% de habitantes negros é a seguinte: o que Vossa Excelência fará com a pilha de cadáveres negros? Com esse questionamento, a nossa intenção é a de não morrer em silêncio, de bruços e com as mãos na cabeça, exterminados pelos tiros de misericórdia do Estado.

Lutamos por mudanças na Bahia, onde, historicamente, uma minoria vem desenvolvendo uma cultura violenta de controle racial em todas as instituições, buscando dominar a tudo e a todos, sob o império do racismo institucional, que estrutura todas as relações nos Poderes públicos. Desse modo, os brancos poderosos definem o lugar do negro e o do branco e recorrem ao braço armado do Estado, para manter a maioria negra em "seu" lugar, o território da subserviência que nunca aceitamos.

Aprendemos com as nossas avós a não aceitar migalhas, a não entrar pelas portas de serviço e a não falar baixo diante dos racistas. Disso depende a nossa continuidade. Por isso, pensar e agir "fora da zona de controle da Casa Grande".é nossa missão, é o nosso destino! Essa memória ancestral e a nossa resistência nos protegem do massacre físico, cultural e mental.

Damos bom-dia aos Direitos Humanos, pois os queremos com eqüidade de raça, gênero e diversidade afetivo-sexual, com liberdade religiosa e justiça agrária, com a garantia dos direitos das populações quilombolas, das mulheres negras e da juventude negra do campo e da cidade.

Mas para que isso se concretize, é preciso que o Governador Jaques Wagner, exerça um real controle sobre a zona de terror e a política de intolerância racial que as Secretarias de Segurança Pública e de Justiça, Cidadania e Direitos Humanos continuam a implementar em nosso Estado.

A negritude de Djair está em cada um de nós, portanto a linha que separa cada pessoa negra da possibilidade de ser assassinada pelas polícias é muito tênue. Não queremos mais seminários para diagnosticar o óbvio, nem apenas cursos inócuos de formação em Direitos Humanos para policiais, Governador!
Sua Casa Civil deve convocar as Secretarias responsáveis e instituir um diálogo verdadeiro com a sociedade civil negra, para buscar políticas públicas que se contraponham, radicalmente, à atual política de extermínio.

É da responsabilidade de Vossa Excelência vir a público e declarar de forma inequívoca que o seu governo não vai mais tolerar o assassinato da população negra; não vai mais aceitar o disparo de balas em ato de misericórdia; não vai mais admitir as lágrimas das mulheres e das famílias negras pelo aniquilamento de seus filhos, maridos e irmãos apenas por serem negros.

Só assim acreditaremos em Direitos Humanos. Só assim acreditaremos nesse governo como o que transformará a Bahia em uma "terra de todos nós" e não somente a de todos os brancos. Como Vossa Excelência já se pronunciou em falas públicas "o diabo mora nos detalhes". Queremos lembrar que o racismo também.
Salvador, 22 de janeiro de 2008

*Socióloga, Mestra em Ciências Sociais FFCH-UFBA, Coordenadora Executiva do Programa CEAFRO – Educação e Profissionalizaçã o para a Igualdade Racial e de Gênero do CEAO/UFBA e Presidente do Conselho de Desenvolvimento da Comunidade Negra do Estado da Bahia

" Liberdade é nosso Axé de Fala "

sábado

Repinicando..... desejando vida longa prá Rede SAPATÀ !



Lésbicas negras apontam 15 recomendações para prevenção do HIV/Aids
27/12/2007 - 18:05
Nos dias 11, 12 e 13 de dezembro, na cidade de Porto Alegre (RS), o Coletivo Nacional de Lésbicas Negras Feministas Autônomas (Candace BR) realizou o Seminário Nacional da Promoção e do Controle da Saúde das Lésbicas Negras. A iniciativa buscou impulsionar o pensar e o agir em relação à saúde desta população.
Durante seminário, foi formalizada a SAPATÀ - Rede Nacional da Promoção e Controle Social da Saúde das Lésbicas Negras, que nasce com o propósito de somar com a Rede Nacional do Controle da Saúde da População Negra. SAPATÀ é uma palavra em iorubá que significa “Orixá da saúde” e é um dos nomes dados a Omulú - Vodum da Terra, também conhecido por Xapanã ou Obaluaiê.
A SAPATÀ - Rede Nacional da Promoção e Controle Social da Saúde das Lésbicas Negras visa, também, a garantir em maior grau a eqüidade no que tange à efetivação do direito humano a saúde em seus aspectos de promoção, prevenção, atenção, tratamento e recuperação de doenças e agravos transmissíveis e não-transmissíveis, incluindo aqueles de maior prevalência neste segmento populacional.
Feminização do HIV/Aids.
O número de mulheres com DSTs/HIV-AIDS vem crescendo de forma alarmante, porém uma parcela desta população de risco é lésbica e negra, porém não havendo a seriedade na implementação do quesito raça/cor e orientação sexual nos cadastros de atendimento e muito menos incentivo a pesquisas que possam apontar dados concretos deste crescimento.
Por meio do Plano de Enfrentamento da Feminização da AIDS e do Pacto de Políticas Públicas para as Mulheres, as lésbicas negras elencaram as seguintes resoluções:
1. Incentivo à produção do conhecimento científico e tecnológico em saúde das lésbicas negras;
2. Promoção de ações pertinentes ao combate a lesbofobia e racismo e a redução das desigualdades étnico-raciais no campo da saúde;
3. Inclusão dos temas orientação sexual racismo e saúde das lésbicas negras nos processos de formação e educação permanente dos trabalhadores da saúde e no exercício do controle social na saúde;
4. Identificar, combater e prevenir situações de abuso, exploração e lesbofobia incluído o assédio moral, no ambiente de trabalho;
5. Fomentar a realização de estudos e pesquisas sobre lesbianidade, racismo e saúde da população negra;
6. Aprimorar a qualidade dos sistemas de informação em saúde, por meio de inclusão dos quesitos orientação sexual e cor em todos os instrumentos de coleta de dados adotados pelos serviços públicos, os conveniados ou contratados pelo SUS;
7. Promoção do reconhecimento dos saberes e práticas populares de saúde, incluindo aqueles preservados pelas religiões de matrizes africanas;
8. Desenvolver processos de informação, comunicação e educação, que desconstruam estigmas e preconceitos que contribuam para a redução de vulnerabilidades;
9. Apoio técnico e financeiro para implementação desta política, incluindo as condições para: realização de seminários, oficinas, fóruns de sensibilização dos gestores de saúde;
10. Formação de lideranças lésbicas e negras para o exercício do controle social para que também possam estar presentes nos comitês técnicos de saúde da população negra, já implantados e que serão implementados nos estados e municípios;
11. Fomento à realização estudos e pesquisas sobre o acesso das lésbicas negras aos serviços e ações de saúde;
12. Articulação com as demais políticas de saúde, nas questões pertinentes às condições, características e especificidades das lésbicas negras;
13. Incentivo técnico e financeiro à organização de redes integradas de atenção às lésbicas negras em situação de violência sexual, lesbofobia, doméstica e intrafamilar.
14. Elaboração de materiais de informação, comunicação e educação sobre o tema da promoção e saúde das lésbicas negras, respeitando os diversos saberes e valores, inclusive preservado pelas religiões de matrizes africanas;
15. Apoio intersetorial para os projetos de saúde das lésbicas negras.

O Seminário Nacional da Promoção de Controle da Saúde das Lésbicas Negras foi realizado com apoio da Seppir e do Ministério da Saúde - Secretaria de Gestão Estratégica e Participativa.
Foi organizado pelo Coletivo Nacional de Lésbicas Negras Feministas Autônomas, Projeto Fuxico de Terreiro e Associação Cultura Arte e Movimento, contando ainda com a parceria da ACMUN (Associação Cultural de Mulheres Negras).
Fonte:Assessoria de Comunicação Social Seppir / PR
2006-2007 Presidência da República - Todos os direitos reservados.

" Somos a Memória que não se Cala!"
Parabéns a todas militantes do Coletivo Nacional da CANDACE BR!
Axé!

Notícias de Recife, terra do Sol... olha o Galo


TARDE DA DIVERSIDADE NO GALO DA MADRUGADA

Navegantes do blog, recebemos essas informações, dos amigos e amigas de Recife, onde a Diversidade é levada à sério.

Prezada:

Seguem informações sobre a TARDE DA DIVERSIDADE NO GALO DA MADRUGADA.

Pelo segundo ano consecutivo, a GLOS - Gerência de Livre Orientação Sexual realiza a TARDE DA DIVERSIDADE NO GALO DA MADRUGADA.
Esta atividade faz parte do Projeto Quintas da Diversidade, que acontece toda última quinta-feira de cada mês, no Pátio de São Pedro.

No carnaval de 2007, a TARDE DA DIVERSIDADE foi um sucesso.
Muitos gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transgêneros aproveitaram a festa e esticaram a folia continuando a brincar no Pátio de São Pedro até altas horas.

A locução oficial deste ano está a cargo da Drag Hoteness
NADARC FASHION CAMALEOA. E a programação é a seguinte:

TARDE DA DIVERSIDADE
Obs: desde essa quinta feira, é horário fixo.
16h
TCM Abanadores do Arruda - 1º/ GE
16h30min
Afoxé Timbaganjú
17h
Banda Tiabaia
17h30min
Orquestra de Frevo Lourdinha Nóbrega

A GLOS - Gerência de Livre Orientação Sexual está realizando também oficinas de sensibilização com os/as coordenadores dos polinhos do Carnaval.
O Carnaval Multicultural do Recife terá este ano 40 polinhos descentralizados nos bairros. Assim, o objetivo das oficinas é sensibilizar as pessoas que estarão à frente dos polinhos para combaterem todas as formas de preconceito e discriminação, principalmente com base na orientação sexual.
Na ocasião aproveitaremos a oportunidade para divulgar as duas leis municipais que combatem a discriminação com base na orientação sexual no âmbito do Recife ( Leis 16.780/2002 e 17.025/2004).
Maiores informações:
Rildo Véras
glos@recife.pe.gov.br
(081) 3232-8634

Queremos agradecer as informações que recebemos e dizer que desejamos um excelente Carnaval com muita harmonia e sem violência.
Axé

Navegantes lembre-se, FAÇA AMOR, MAS USE CAMISINHA!

E aí vai Poesia prá amenizar as notícias tristes...


Síntese da Felicidade
(Carlos Drummond de Andrade)

Desejo a você... Fruto do mato
Cheiro de jardim
Namoro no portão
Domingo sem chuva
Segunda sem mau humor
Sábado com seu amor
Filme do Carlitos
Chope com amigos
Crônica de Rubem Braga
Viver sem inimigos
Filme antigo na TV
Ter uma pessoa especial
E que ela goste de você
Música de Tom com letra de Chico
Frango caipira em pensão do interior
Ouvir uma palavra amável
Ter uma surpresa agradável
Ver a Banda passar
Noite de lua Cheia
Rever uma velha amizade
Ter fé em Deus
Não ter que ouvir a palavra não Nem nunca, nem jamais e adeus.
Rir como criança
Ouvir canto de passarinho
Sarar de resfriado
Escrever um poema de Amor
Que nunca será rasgado
Formar um par ideal
Tomar banho de cachoeira
Pegar um bronzeado legal
Aprender um nova canção
Esperar alguém na estação
Queijo com goiabada
Pôr-do-Sol na roça
Uma festa
Um violão
Uma seresta
Recordar um amor antigo
Ter um ombro sempre amigo
Bater palmas de alegria
Uma tarde amena
Calçar um velho chinelo
Sentar numa velha poltrona
Tocar violão para alguém
Ouvir a chuva no telhado
Vinho branco
Bolero de Ravel
E muito carinho meu

Ps: Prá o meu amor, que está trabalhando muito, cuidado com o cansaço!

Faça Amor, mas use CAMISINHA !

" Liberdade é meu Axé de Fala "

O Carnaval vem aí !

Navegantes deste blog desejamos um excelente Carnaval.
Com muita Paz, sem Violência, sem
Racismo e Preconceito.
Nossos Deuses e Deusas estão de plantão!

Para refrescar a Memória, PRECONCEITO É CRIME !

" Liberdade é nosso Axé de Fala"

Este Blog cuida da saúde...Mal de Alzheimner

Sobre o Alzheimner:
Roberto Goldkorn é psicólogo e escritor.
Meu pai está com Alzheimer. Logo ele, que durante toda vida se dizia "o Infalível".
Logo ele, que um dia, ao tentar me ensinar matemática, disse que as minhas orelhas eram tão grandes que batiam no teto.
Logo ele que repetiu, ao longo desses 54 anos de convivência, o nome do músculo do pescoço que aprendeu quando tinha treze anos e que nunca mais esqueceu: esternocleidomastóideo.
O diagnóstico médico ainda não é conclusivo, mas, para mim, basta saber que ele esquece o meu nome, mal anda, toma líquidos de canudinho, não consegue terminar uma frase, nem controla mais suas funções fisiológicas, e tem os famosos delírios paranóicos comuns nas demências tipo Alzheimer.
Aliás, fico até mais tranqüilo diante do "eu não sei ao certo" dos médicos; prefiro isso ao "estou absolutamente certo de que...", frase que me dá arrepios.
Há trinta anos, não ouvia sequer uma menção a essa doença maldita.
Hoje, precisaria ter o triplo de dedos nas mãos para contar os casos relatados por amigos e clientes em suas famílias.
O que está acontecendo? Estamos diante de um surto de Alzheimer? Finalmente nossos hábitos de vida "moderna" estão enviando a conta? O que os pesquisadores sabem de verdade sobre a doença? Qual é o lado oculto dessa manifestação tão dolorosa?
Lendo o material disponível, chega-se a uma conclusão: essa é uma doença extremamente complexa, camaleônica, de muitas faces e ainda carregada de mistérios. Sabe-se, por exemplo, que há um componente genético.
Por outro lado, o Dr. William Grant fez uma pesquisa que complicou um pouco as coisas.
Ele comparou a incidência da doença em descendentes de japoneses e de africanos que vivem nos EUA, e com japoneses e nigerianos que ainda vivem em seus respectivos países.
Ele encontrou uma incidência da doença da ordem de 4,1para os descendentes de japoneses que vivem na América, contra apenas 1,8 de japoneses do Japão.
Os afro-americanos vão mais longe: 6,2 desenvolvem a doença, enquanto apenas 1,4 dos nigerianos são atingidos por ela.
Hábitos alimentares? Stress das pressões do Primeiro Mundo? Mas o Japão não é Primeiro Mundo? Não tem stress? A alimentação parece ser sem dúvida um elo nessa corrente, e mais ainda o alumínio.
Segundo algumas pesquisas, a incidência de alumínio encontrada nos cérebros de portadores da doença é assustadoramente alta.
Pesquisas feitas na Austrália e em alguns países da Europa mostraram que, em ratos alimentados com uma dieta rica, o sulfato de alumínio (comumente colocado na água potável para matar bactérias) danificou os cérebros dos roedores de forma muito similar à causada nos humanos pelo Alzheimer.
Pesquisas do Dr. Joseph Sobel, da Universidade da Califórnia do Sul, mostraram que a incidência da doença é três vezes maior em pessoas expostas à radiação elétrica (trabalhadores que ficavam próximos a redes de alta tensão ou a máquinas elétricas).
Mas não param por aí as pesquisas, que apontam à arma em todas as direções.
Porém, a que mais me chocou e me motivou a fazer minhas próprias elucubrações foi o estudo das freiras.
Esse estudo, citado no livro A Saúde do Cérebro, do Dr. Robert Goldman, Ed. Campus foi feito pelo Dr. Snowdon, da Universidade de Kentucky. Eles estudaram 700 freiras do convento de Notre Dame.
Na verdade, eles leram e analisaram as redações autobiográficas que cada freira era obrigada a escrever logo ao entrar na ordem. Isso ocorria quando elas tinham em média 20 anos.
Essas freiras (um dos grupos mais homogêneos possíveis, o que reduz muito as variáveis que deveriam ser controladas) foram examinadas regularmente e seus cérebros investigados após suas mortes. O que se constatou foi surpreendente.
As que melhor se saíram nos testes cognitivos e nas redações - em termos de clareza de raciocínio, objetividade vocabulário, capacidade de expressar suas idéias, mesmo apresentando os acidentes neurológicos típicos do Alzheimer (placas e massas fibrosas de tecido morto) não desenvolveram a demência característica da doença.
Ou seja, elas tinham as mesmas seqüelas que as outras freiras com Alzheimer diagnosticado (e que tiveram baixos escores em testes cognitivos e na redação), mas não os sintomas clássicos, como os do meu pai.
A minha interpretação de tudo isso: não temos muito como controlar todos os fatores de risco apontados como os vilões - alimentação, pressão alta, contaminação ambiental, stress, e a genética (por enquanto).
Mas podemos colocar o nosso cérebro para trabalhar.
COMO?
Lendo muito, escrevendo, buscando a clareza das idéias, criando novos circuitos neurais que venham a substituir os afetados pela idade e pela vida "bandida".
Meu conselho: é para vocês não serem infalíveis como o meu pobre pai; não cheguem ao topo nunca, pois dali, só há um caminho: descer.
Inventem novos desafios, façam palavras cruzadas, forcem a memória, não só com drogas (não nego a sua eficácia, principalmente as nootrópicas), mas correndo atrás dos vazios e lapsos. Eu não sossego enquanto não lembro do nome de algum velho conhecido, ou de uma localidade onde estive há trinta anos.
Leiam e se empenhem em entender o que está escrito, e aprendam outra língua, mesmo aos sessenta anos.
Não existem estudos provando que o Alzheimer é a moléstia preferida dos arrogantes, autoritários e auto-suficientes, mas a minha experiência mostra que pode haver alguma coisa nesse mato.
Coloquem a palavra FELICIDADE no topo da sua lista de prioridades: 7 de cada 10 doentes nunca ligaram para essas "bobagens" e viveram vidas medíocres e infelizes - muitos nem mesmo tinham consciência disso. Mantenha-se interessado no mundo, nas pessoas, no futuro.
Invente novas receitas, experimente (não gosta de ir para a cozinha? Hum... Preocupante.)
Lute, lute sempre, por uma causa, por um ideal, pela felicidade.
Parodiando Maiakovski, que disse "melhor morrer de vodca do que de tédio", eu digo: melhor morrer lutando o bom combate do que ter a personalidade roubada pelo Alzheimer.
Dicas para escapar do Alzheimer:
Uma descoberta dentro da Neurociência vem revelar que o cérebro mantém a capacidade extraordinária de crescer e mudar o padrão de suas conexões.
Os autores desta descoberta, Lawrence Katz e Manning Rubin (2000), revelam que NEURÓBICA, a "aeróbica dos neurônios", é uma nova forma de exercício cerebral projetada para manter o cérebro ágil e saudável, criando novos e diferentes padrões de atividades dos neurônios em seu cérebro. Cerca de 80% do nosso dia-a-dia é ocupado por rotinas que, apesar de terem a vantagem de reduzir o esforço intelectual, escondem um efeito perverso; limitam o cérebro. Para contrariar essa tendência, é necessário praticar exercícios "cerebrais" que fazem as pessoas pensarem somente no que estão fazendo, concentrando-se na tarefa.
O desafio da NEURÓBICA é fazer tudo aquilo que contraria as rotinas, obrigando o cérebro a um trabalho adicional.

Tente fazer um teste:
- use o relógio de pulso no braço direito;
- escove os dentes com a mão contrária da de costume;
- ande pela casa de trás para frente; (vi na China o pessoal treinando isso num parque);
- vista-se de olhos fechados;
- estimule o paladar, coma coisas diferentes;
- veja fotos de cabeça para baixo;
- veja as horas num espelho;
- faça um novo caminho para ir ao trabalho.
A proposta é mudar o comportamento rotineiro.
Tente, faça alguma coisa diferente com seu outro lado e estimule o seu cérebro.
Vale a pena tentar!
Que tal começar a praticar agora, trocando o mouse de lado?
Que tal começar agora enviando esta mensagem, usando o mouse com a mão esquerda?

Ps: Faça este teste agora e envie para seus amigos e amigas ! Axé

sexta-feira

Liberdade Religiosa.... temos ?????????

Liberdade religiosa:
(Fabiana Oliveira, RJ, 23 de janeiro 2008)

LEIAM COM ATENÇÃO, e no RS, como estamos ?
Francis conhece vários casos de discriminação religiosa.
A discriminação religiosa é mais comum do que se imagina no Brasil, sobretudo contra religiões de matriz africana, como o candomblé e a umbanda. Seja no asfalto ou na favela não faltam relatos de adeptos que sofrem com a situação.

Garantida pela Declaração Universal dos Direitos Humanos e a Constituição Brasileira, a liberdade de escolha religiosa está longe de ser respeitada entre os brasileiros, principalmente quando se fala das religiões de matriz africana. Tanto que o governo federal instituiu o dia 21 de janeiro - Dia Mundial da Religião - como Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa.

As religiões de matriz africana são historicamente as que enfrentam o maior preconceito e discriminação. Ao longo da história do Brasil os terreiros de candomblé foram vítimas de perseguição policial, da imprensa, da igreja católica, do poder público, de grupos neo-pentecostais e agora até mesmo de traficantes nas favelas cariocas.

Casos de Babalorixás (pais-de-santos) expulsos dos locais onde moram são cada vez mais comuns. No início do ano 2000, o Babalorixá João* foi retirado por traficantes do terreiro que tinha na Zona Oeste do Rio. Segundo ele, os bandidos viam de forma negativa a presença do Babalorixá no local. Para trás, João deixou sete anos de trabalho, além de tudo que possuía.

"Chegaram no meu terreiro, me bateram e disseram que eu tinha 24h para sair. Aí não tive alternativa. Praticamente perdi tudo o que era meu pessoal porque na mudança priorizei mais as coisas do terreiro", conta ele, que pediu anonimato por medo de represálias.

Morando atualmente em outro estado, o Babalorixá, diz que nunca mais teve coragem de voltar ao local e por precaução evita ir ao Rio de Janeiro. Nem mesmo coisas que deixou em casa de vizinhos, ele voltou para retirar:

"A gente fica inseguro. Não tive coragem nem de vender o terreno. Hoje em dia me acho até uma pessoa vencedora por ter conseguido recomeçar. Muitos em meu lugar teriam desistido, mas confiei nos orixás e atualmente estou bem melhor".

Adeptos dessas religiões são obrigados a conviver com ofensas de todos os tipos. Seja nas ruas ou no trabalho. Nelson Silva de Oliveira é praticante do candomblé há 12 anos. Morador de São João de Meriti, na Baixada Fluminense, o professor de História diz ser freqüente as discriminações.

“Uma vez terminou a aula e estava conversando com um grupo de alunos sobre religião. Ai disse a uma aluna que eu era candomblecista. Ela levou um susto porque tem aquela visão de que o candomblé é coisa de pessoa sem esclarecimento. Outra vez meu colega disse que uma menina recebeu a pomba-gira (entidade cultuada na umbanda), trancaram-na numa sala da escola juntamente com outras quatro pessoas dizendo que ela estava com o demônio no corpo, sendo que na nossa religião, nem existe a figura do demônio", esclarece o professor.

Falsa democracia religiosa

De acordo com o relatório da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial (SEPPIR), das 314 denúncias recebidas entre 2005 e 2007, 17% diziam respeito a discriminação religiosa. Segundo o professor de direito e ex-ouvidor da SEPPIR, Luiz Fernando Martins da Silva, isso é mais comum do que se imagina.

Luiz: não somos uma democracia religiosa

"Basta ligar a televisão que é possível ver a desqualificação que alguns segmentos neo-pentecostais fazem com as religiões de matriz africana. Este é um exemplo de como não somos uma democracia religiosa", fala.

Essas desqualificações, segundo o advogado, vão desde ligação dos orixás do candomblé a demônios que fariam mal a saúde física e mental das pessoas, induzindo-as à pobreza e criminalidade, até o uso de palavras discriminatórias para descrever as religiões.

Em novembro de 2007 o advogado denunciou a procuradoria geral de justiça um pastor que apresentou ao departamento de polícia uma pessoa acusada de ter provocado a morte de um turista italiano na Zona Sul. O sacerdote alegou que ele havia se convertido e cometera o crime por estar povoado de demônios.

No dia seguinte vários jornais notificaram o ocorrido dando nome aos demônios de Zé Pelintra e Exu Caveira. O caso está em andamento na 44 DP, em Inhaúma. Mas, segundo Luiz Fernando, essas discriminações não ocorrem somente entre membros de religiões opostas:

"Muitas vezes o estado também pratica discriminação negando os direitos dessas religiões através de atrasos na emissão de documentos para regularização jurídica dos terreiros".

Estratégias para driblar o preconceito

Segundo dados censitários os seguidores de candomblé, em suas diferentes vertentes e a umbanda somam 571.329 adeptos, ou seja, cerca de 0,34% da população brasileira. Número tido por pesquisadores como fidedignos, tendo em vista que boa parcela de seguidores dessas religiões declaram-se "católico" e "espírita" aos recenseadores.

Isso acontece em parte, devido ao estigma que essas religiões carregam. Segundo a Ialorixá (mãe-de-santo) Francis de Iemanjá, que tem um terreiro na Zona Norte do Rio, não faltam exemplos de preconceitos sofridos pelos praticantes:

"Tenho uma filha de santo que trabalha em um colégio e não a deixam entrar com ojá (pano branco que alguns praticantes usam na cabeça e que faz parte do ritual). Outra, que morava numa favela da Zona Norte foi insultada e jogaram uma ponta de cigarro em sua roupa porque ela estava vestida de branco”.

Mãe Francis diz que o preconceito começa quando os adeptos saem do culto. Para ela, é fundamental que aconteçam palestras que esclareçam para a população o que são as religiões de matriz africana.
André Porto: é importante um conhecer o outro

A gente sai do terreiro e na condução já somos discriminados. Quando entramos no ônibus todo mundo fica olhando como se fôssemos assombração. Acho que tem que ter mais palestras com as crianças e adolescentes nas escolas para explicar que nossa religião não é nenhum capeta. Nós cultuamos a natureza, o orixá”, explica.

André Porto, coordenador do MIR – Movimento Inter Religioso do Rio de Janeiro e responsável na América Latina pela URI - Iniciativa das Religiões Unidas também concorda com a Ialorixá que essas discriminações acontecem muitas vezes pela falta de conhecimento que as pessoas têm dessa religiões.

"Para haver respeito é importante um conhecer o outro. A discriminação muitas vezes vem da própria ignorância. Para entender a sua humanidade é preciso conhecer a humanidade do outro. Através do contraste acaba aprofundando as raízes da sua própria identidade", diz.

Desde a Eco-92, o MIR, que é ancorado ao ISER (Instituto de Estudos da Religião), vem realizando ações com objetivo de promover o diálogo e cooperação entre os grupos religiosos. Atualmente o grupo congrega cerca de 20 religiões. As reuniões acontecem toda segunda terça-feira do mês, às 18h30, na Glória.

Os encontros têm objetivo de aproximar religiões para que um dia, o sonho da Ialorixá Francis se realize: "Espero que um dia esse preconceito acabe e que possamos praticar nossos cultos e sairmos com nossos adereços sem sofrermos discriminação.

Fabiana Oliveira
Produtora de conteúdo para os sites:
Observatório das Metrópoles IPPUR/UFRJ
Portal Viva Favela
Cedaps - Centro de Promoção da Saúde
Criação e gestão de conteúdo dos blogs:
Mídia e Violência Urbana
Yowli Brasil
Rede Comunidades Saudáveis
" Liberdade é meu Axé de Fala"

quinta-feira

IEMANJÁ: polêmica nas águas do mar


Festas de Iemanjá no litoral gaúcho dividem opiniões:

Pois é pessoal, navegantes deste blog e de tantos outros por aí nesse imenso cyber espaço, afinal a Procissão, a festa para a Rainha do Mar, saí ou não saí ?
Eu acredito que o bom senso dos Ylês, Terreiros, Tendas e Casas de Umbanda vai prevalecer, porque afinal, a procissão e o ritual externo é apenas uma das atividades de qualquer iniciado, seja de que " lado " fôr, não é ?

Ou seja, os de tradição banto, manterão seus Parás, Pegís ou Quarto de Santo fechados, resguardando os Orisàs ou Orixás que foram para a " guerra " e só retornarão suas atividades do sagrado-ritual no sábado de Aleluia, com a palavra os mais velhos(as), Axé Motumbá !

Quanto as atividades festivas, na beira do Mar, ao lado dos rios, dos lagos, será a maneira de agradeçer, a grande Orisà Iemanjá, Yemonjá "senhora de todos os peixes", a benção de estarmos vivos ou vivas !

Sejamos coerentes com a nossa tradição, afinal, nossos ancestrais transformaram as grandes manifestações públicas dos nossos rituais em festa, em acolhimento, em demonstrações de Paz e de muito Amor e para além disto, maneira de nos identificarmos como seres humanos! Sabem porquê ?

O Racismo e o Preconceito, durante muitos anos, foi coisa "braba", para o Povo de Santo! Mudou alguma coisa nesses anos ?

Em outras épocas, não muito distante, até mais ou menos, década de 70, ser de "religião", ou " batuqueiro" era caso de POLÍCIA, lembram ?

Para conferir
, em Salvador, na Bahia, terra de todos os Orixás, desde 1923, na Colonia de Pescadores do RIO VERMELHO, a devoção a IEMANJÁ, sai com qualquer tempo e este ano não será diferente.

O Ceucab/Rs, manifestou sua opinião em nota pública que está rodando em todos os jornais, leia, confira e decida!

IEMANJÁ, afinal, é maior do que toda essa polêmica. Axé !`

Somos a Memória que não se Cala
" LIBERDADE É NOSSO AXÉ DE FALA "

quarta-feira

Carnaval compromete festejo de Iemanjá


Religião

Tradição das crenças africanas recomenda que as oferendas sejam suspensas até o dia de "enterro dos ossos"

A tradicional imagem de milhares de pessoas à beira-mar com presentes e oferendas para a mãe das águas será adiada por muitos devotos das religiões africanas neste ano.
Algumas casas de religião afro orientam que excursões com devotos rumo ao Litoral ocorram depois dos dias de folia.
A coincidência entre a Festa de Iemanjá e o sábado de Carnaval, no entanto, vem dividindo a opinião de africanistas e umbandistas.
Pela tradição, dias antes do Carnaval são fechados os quartos-de-santo para resguardo dos orixás. Velas são apagadas, centros fechados, e o período de recolhimento termina no "enterro dos ossos" (sábado posterior à folia).
Segundo o Pai Cleon do Reino de Oxalá, é o período em que as energias positivas estão recolhidas e os elementos negativos, soltos.
Por isso, há a recomendação de não serem feitas oferendas e obrigações no próximo dia 2.
Ficaremos sem a proteção dos orixás neste período. Prestaremos homenagem a quem? - questiona.Muitas caravanas que partem de cidades da Região Metropolitana rumo ao Litoral foram transferidas.
Não aconselhamos que sejam feitas oferendas porque serão recebidas por espíritos ruins - explica o presidente da Federação das Religiões Afro-brasileiras e do Conselho Superior das Federações de Umbanda e Religiões Afro Brasileiras, Jorge Verardi.
Para o babalorixá Danilo de Oxalá, que coordenou a festa de Iemanjá em Cidreira durante 30 anos, trata-se de um conselho e não de uma proibição.
De acordo com o Pai Paulinho de Ogum Xoroquê, o Carnaval vai passar longe das homenagens a Iemanjá. No dia 1º, ele estará no Mercado Público da Capital com o barco de Iemanjá para abençoar os seus filhos.
Apesar da energia do Carnaval, o poder dos Orixás é imutável, perene e está presente em nossas vidas independente do calendário - opina.
Segundo o secretário de turismo de Tramandaí, Paulo Costa, uma reunião com a associação dos umbandistas decidiu manter a festa. As comemorações se iniciam às 23h30min do dia 1º, junto ao monumento à Iemanjá. Em Capão da Canoa, conforme a assessoria da prefeitura, a festa também se mantém, próxima à estátua na praia. ( roberta.schuler@diariogaucho.com.br )ROBERTA SCHULER
Obs: Publicado em Zero Hora.com, dia 23 de janeiro de 2008.
Vanessa Martins - jornalista (MTB-RS 11584)
E agora meus irmãos, qual é sua opinião ???????????????
" Somos a Memória que não se Cala "
Axé

Novidades, gostaram ?

Amigos e amigas deste blog, o ano de 2008 já demonstra para o que veio!

Estamos de casa nova e mais importante, dois instrumentos para a nossa comunicação.

Duas Rádios.. uma que você programa, Rádio do Blog, pede música, nós colocamos no ar!

A segunda, vai se chamar RÁDIO NAÇÃO, para pesquisa musical dos nossos rituais e Axés cantados, espero que gostem !

Estamos caminhando firmes para a Memória e resgate da nossa ancestralidade.

Queremos ser o instrumento eficaz de comunicação com as nossas Comunidades Tradicionais de Terreiros, Axé !

Mande o seu recado, divulgamos a sua festa, a sua alegria, mande notícias, publicaremos....

Salve Xangô, Sobô Deí, dono da casa !

" Somos a Memória que não se Cala "

Axé

RED INTERRELIGIOSA LATINOAMERICANA Y CARIBEÑA SOBRE VIH Y SIDA

Rede Nacional de Religiões Afro-Brasileiras e Saúde conquista mais um importante espaço de atuação no cenário internacional


RED INTERRELIGIOSA LATINOAMERICANA
Y CARIBEÑA SOBRE VIH Y SIDA

ESTRUCTURA

1. Miembros

La Red Interreligiosa Latinoamericana y Caribeña sobre VIH y Sida contará como miembros a las comunidades religiosas y organizaciones basadas en la fe con experiencia de trabajo en VIH y sida.

2. Cooperantes

Las agencias de las Naciones Unidas y los organismos regionales que trabajan en VIH y sida serán invitados a incorporarse como cooperantes de la Red. Asimismo, las organizaciones de servicio y redes comunitarias que trabajan en VIH y sida podrán solicitar su participación como cooperantes de la Red.

3. Comité Coordinador

El Comité Coordinador estará compuesto de 5 miembros, que serán elegidos por un periodo de dos años, empleando criterios que aseguren la participación de las diversas religiones y zonas geográficas presentes en la Red.

El Comité Coordinador para el periodo 2007-2009 estará integrado por el Hno. Hernán Quezada, del Secretariado Latinoamericano y Caribeño de Caritas (SELACC), la Sra. Rosa Conde, del Programa de Salud del Consejo Latinoamericano de Iglesias (CLAI), la Sra. Elisabeth Nicholas, del Programa Regional de VIH/SIDA de la Conferencia Caribeña de Iglesias (CCC), el Sr. Ramón Soto, de la Oficina Regional para América Latina y el Caribe de Visión Mundial, y el Sr. José Marmo da Silva, de la Red Nacional de Religiones Afro-Brasileras y Salud.

Las funciones del Comité Coordinador serán:
1) Servir como vocero de la Red;
2) Supervisar el desarrollo de los Planes Estratégicos adoptados;
3) Aprobar la incorporación de nuevos miembros y cooperantes;
4) Facilitar la comunicación entre los miembros y cooperantes;
5) Apoyar la movilización de recursos; y
6) Velar por el cumplimiento del espíritu interreligioso en todas las actuaciones de la Red.

4. Relaciones con la Conferencia Mundial de Religiones por la Paz
La Conferencia Mundial de Religiones por la Paz continuará apoyando el fortalecimiento de la Red y, a través de su Oficina Regional Latinoamericana y Caribeña, servirá como su Secretaria Técnica. El Director de la Oficina Regional Latinoamericana y Caribeña de la Conferencia Mundial de Religiones por la Paz será miembro ex officio del Comité Coordinador de la Paz.

Nota da redação: Parabéns povo de Santo, Dr José Marmo da Silva, grande
batalhador, Axé!
Ylê Araxá de Olocum - Reino de Xapanã e Oxum!
" Liberdade é nosso Axé de Fala"

terça-feira

REPINICANDO.... NAVEGANTES, PRECONCEITO E VIOLÊNCIA É CRIME, ALTO LÁ!

ADESÃO AO OFÍCIO DE PROTESTO - VIOLÊNCIA EM CONCEIÇÃO DAS CRIOULAS:

Ofício nº 01/2008 Salgueiro, 16 de janeiro de 2008. À Secretaria de Defesa SocialC/C : Secretaria de Desenvolvimento Social e Direitos Humanos
Sr. Secretário: Servilho Silva de Paiva da SDS
Sr. Secretário: Roldão Joaquim da SDSDH
Ref. : 2008 começou e os conflitos no Território Quilombola de Conceição também já estão recomeçando.

Infelizmente começamos 2008 vivenciando e sentindo o peso da opressão por parte dos fazendeiros que insistem em determinar como devemos viver e quando não obedecemos então é a vez de agirem com agressão.
No dia 12 de Janeiro, aproximadamente às 22h, mais uma vez o Donato Galdino dos Santos (Dão de Lolô) juntamente com o filho adolescente e outro adolescente que reside com ele, invadiram uma residência dentro do Território Quilombola, com o argumento de que estavam acertando contas de uma briga que o filho dele teve na escola com o jovem T.C, neste ato de agressão destruíram parte dos equipamentos (mesas e cadeiras) e agrediram fisicamente e moralmente o adolescente T.C.
Depois de espancarem o rapaz, ameaçaram dizendo que se alguém prestasse queixa na Delegacia ou fosse feita alguma denúncia para outras autoridades eles fariam pior, logo em seguida saíram aos gritos agredindo moralmente a família da vítima que está até o momento em pânico.
Na segunda-feira dia 14 de Janeiro, enquanto as testemunhas e a vítima prestavam depoimento, Donato Galdino (Dão de Lolô) teve a petulância de aparecer na delegacia com o intuito de amedrontá-los.
Dentro da Delegacia de Salgueiro, na ocasião o delegado não estava presente e o diálogo se deu apenas com rapaz que escuta registra as denúncias (TCO), e não houve nenhuma reação por parte das autoridades presentes.
Não havendo nenhuma reação da polícia civil, a família de T.C, procurou o 8º BPM, que saiu à procura dos agressores.
T.C estava com uma viagem marcada para a quinta-feira dia 17, ficou decidido pela Coordenação da AQCC e demais pessoas da comunidade de que era necessário antecipar a viagem, pois o local não oferece nenhuma segurança para os quilombolas e principalmente para aqueles envolvidos na situação.
Na terça-feira dia 15 de Janeiro, para nossa surpresa bem na hora de saída para a rodoviária os agressores apareceram bem em frente à Secretaria da AQCC em Salgueiro. Achamos a situação suspeita e acionamos a polícia que acompanhou o adolescente até hora da sua saída.
Donato Galdino dos Santos (Dão de Lolô) já cometeu este ao de invasão por três vezes dentro da Vila Centro do território, certa vez entrou sem autorização na casa dos jovens da comissão de juventude da AQCC para desligar o som que no momento eles ouviam mesmo em horário permitido. Em outra oportunidade já havia tentado agredir o T.C. dentro da residência dos Sr. João Vicente e da a Sra. Marina também, avós de T.C.
É importante colocar que o Donato Galdino dos Santos (Dão de Lolô) faz parte de um grupo de fazendeiros que há muito tempo ameaçam de morte as lideranças que estão a frente da luta pela Regularização Fundiária no território de Conceição das Crioulas. Ou seja, faz parte do grupo que impõe o silêncio e medo na região.
Diante de todos esses acontecimentos e tantas denúncias feitas por nós, nenhuma resposta foi dada às nossas reivindicações.
Solicitamos imediatamente ao Poder Público Estadual através das Secretarias de Defesa Social, assim como, da Secretaria de Desenvolvimento e de Direitos Humanos maior atenção no sentido de designar um Delegado Especial para averiguar as violências acontecidas na nossa Comunidade.
Sabemos que nosso maior desafio é que a regularização Fundiária do Território seja finalizada através dos órgãos federais que detém a competência para esse fim, e entendemos que quanto mais ágil for esse trabalho, maior será o grau de segurança dentro do Território, porém não podemos ficar sendo humilhados diariamente e sem respostas no âmbito estadual e/ou federal.
Não é possível que uma Comunidade Quilombola distante aproximadamente 50 km da cidade de Salgueiro viver eternamente sobre pressão de ameaças e cobrando providências e sem resposta, Lembramos que a violência contra o povo quilombola de Conceição das Crioulas já foram levadas para Relatores da ONU, órgãos federais de proteção e defesa dos direitos humanos, a situação quilombola no Brasil foi colocada em pauta na Organização dos Estados Americanos, e iremos recorrer para essas instâncias caso não tenhamos retorno.
Informamos que o caso foi oficiado ao Senhor Secretário Nacional de Justiça Dr.Antonio Biscaia do Governo Federal através da Subsecretária de Políticas para Comunidades Tradicionais da Secretaria Especial de Políticas de Promoção da Igualdade Racial ligada à Presidência da República, que tomou conhecimento do caso na última segunda-feira dia 14 de janeiro de 2008.
Aguardamos retorno o mais rápido possível, pois vidas estão em risco nesse momento e contamos com o apoio das organizações, políticos e articulações que apóiam a causa quilombola e temem pela contínua violência contra as comunidades.

Atenciosamente,
Márcia Jucilene do Nascimento
Coordenadora Geral da AQCC

Maria Aparecida Mendes Silva
Coordenado Executiva da AQCC.

ASSINA TAMBÉM ESSE OFÍCIO:

DIGNITATIS - ASSESSORIA TÉCNICA POPULAR.

-- "A ordem universal frequentemente apresentada como irresistível é, todavia, defrontada e afrontada, na prática, por uma ordem local, que é sede de um sentimento e aponta um destino." M.S.

O Bloco da Bacalhoa convida...


segunda-feira

Repicando...Casa de Candomblé na Alemanha !!!



Rompendo fronteiras, eita mundo !


Fórum inaugura a primeira casa de candomblé da Alemanha e divulga a cultura afro-brasileira em toda a Europa"O vento que bate aqui, bate lá/Iansã dona dos ventos/Rainha dos pensamentos". Com esses versos, declamados com sotaque teutônico, mas também com muita fé, foi aberto em Berlim no dia de Santa Bárbara (Iansã, no sincretismo religioso), a primeira casa de candomblé da Alemanha.O espaço, denominado Ilê Axé Oyá, que em iorubá significa ``casa da força de Oyá´´, vai funcionar no andar superior do Centro Intercultural Fórum Brasil - entidade sem fins lucrativos dedicada à divulgação da cultura brasileira."Assim como os negros africanos levaram para o Brasil a força e a magia capazes de manter o equilíbrio do homem com a natureza, queremos que esta força se prolifere como o vento, girando também na Europa", diz um dos mentores intelectuais do Fórum Brasil, o bailarino, coreógrafo e assessor cultural baiano Murah Soares, que vive há quase duas décadas na Alemanha.Ele acredita que o Fórum Brasil, aberto em fevereiro do ano passado, ganha um novo sentido ao criar um espaço dedicado ao culto e louvor aos orixás. "A tão almejada paz entre os povos somente será alcançada quando houver entendimento e respeito mútuo entre as diversas religiões e culturas, evitando preconceitos, conflitos e todas as formas de racismo", diz.

Tolerância Soares, que através da dança atua em diversos países europeus, e seu associado, o alemão Martin Titzck, que assume a gerência administrativa do Fórum, querem fazer de Berlim o ponto de partida de um movimento mais amplo. "Nosso objetivo é estender e sedimentar a ponte cultural entre o Brasil e a Europa, difundindo os aspectos da cultura e da religião afro-brasileira em todo o velho continente a partir da Alemanha", diz o bailarino.Para ele, o intercâmbio sociocultural e religioso entre os povos pode ser o início de um grande diálogo e uma contribuição importante para o processo de integração num continente tão afetado pelas diferenças.Para atingir seus objetivos, o Fórum Brasil oferece um amplo programa nas áreas cultural e social, mantendo uma agenda constante de cursos, workshops, exposições e seminários, além de festas e outros eventos que unem o lazer ao conhecimento e à propagação das raízes socioculturais brasileiras, tanto no que toca às influências africanas, quanto à contribuição indígena, com seus mitos e tradições.
***Localização privilegiada.
O Fórum Brasil funciona em uma bela casa de 190m2, situada no bairro de Kreuzberg, próximo ao Viktoria-Parque, zona de destaque no cenário cultural de Berlim. O espaço dispõe de salão de aulas e eventos, cozinha com bar e sanitários, além de dois escritórios e vestuários. Toda estrutura é financiada por Soares e Titzck, sem nenhum fomento ou apoio de entidades governamentais brasileiras ou alemãs.O centro de candomblé Ilê Axé Oyá se integra a essa estrutura em um espaço reservado, projetado desde o início com esta finalidade. A parte humana fica por conta de um pequeno núcleo de adeptos e simpatizantes da religião, formado já há alguns anos em Berlim, com objetivo de manter e difundir as tradições e os rituais do candomblé.
Fonte: Lélia Gonzales.

" Somos a Memória que não se Cala "
Axé !

21 de Janeiro, Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa

" Ninguém nasce odiando outra pessoa pela cor da sua pele, por sua origem ou ainda por sua religião. Para odiar, as pessoas precisam aprender; e, se podem aprender a odiar, podem ser ensinados a amar" ( Nelson Mandela)

Hoje, dia de relembrar, mas também de luta !
Voçes sabiam que esta data foi instituída em memória de Mãe Gilda, Yalorixá do Terreiro Abassá de Ogum ?

Pois é, ela teve o desprazer de ver sua casa invadida por " crentes " e sofreu um infarto fulminante em 2000.

Em sua Memória foi decretado pelo Congresso Nacional e sancionado pelo presidente da República, Luis Inácio da Silva em 27 de dezembro de 2007. Agora, é Lei !

Não esqueça, 21 de Janeiro, " Dia Nacional de combate à Intolerância Religiosa",
reuna seus filhos, filhos de santo, vizinhos e simpatizantes do seu Ylê e divulga essa boa nova!

" Somos a Memória que não se Cala!"
Axé

quinta-feira

Mulher

Mulher
( em definição )

Manuela Amaral

Mulher-Poesia
que deixa no meu corpo bocados
de poema

Mulher-Criança
que desce à minha infância
e me traz adulta

Mulher-Inteira
repartida no meu ser

Mulher-Absoluta
Fonte da minha origem

"Maria Eugênia: há muito tempo me mandaste um pequeno livro, nele uma grande poeta. E eu descobria e me apaixonava por Florbela ... Agora descubro esta Manuela Amaral por quem já estou apaixonada."
Fonte: Amor no feminino, Fora do Texto, 1997 - Coimbra, Portugal

" Liberdade é meu Axé de Fala!"
Axé

Quero falar de Mulheres !!!!!!!!!!!!!!!!

Das mulheres que me amaram ...

Das mulheres que me amamentaram no tempo incontestável dos meus ancestrais...

Daquelas que atravessaram séculos lutando, trabalhando e gemendo....

Daquelas que, ainda hoje, perdem peso e sono, ao embalar os berços...

Daquelas que nesse momento, mãos em prece, suplicam saúde,
imploram perdão...

Daquelas que mesmo não percebendo alisam meus cabelos na suave brisa da
manhã de um novo dia ...

Daquelas... de quem sou filha, irmã, mãe, amiga e amante....

Para elas e com elas quero construir uma utopia possível ...

Para afinal, depois da luta, repousar meu corpo cansado...

E afinal, sonhar meus sonhos e viver um mundo real !

" Somos a Memória que não se Cala "

Axé

Carnaval da RUA DO PERDÃO está de volta, navegantes vocês lembram?


O carnaval da Rua do Perdão, espaço aberto ao público na Rua da República (entre a Rua José do Patrocínio e a João Alfredo), na Cidade Baixa, em Porto Alegre , para festejos carnavalescos de participação popular estará de volta na terça-feira (05/02), a denominada “terça gorda”. Quem informa é o Pernambuco, um dos fundadores da Rua do Perdão.

Entre os atrativos deste ano já estão confirmados diversas bandas e convidados especiais.
Veja a programação:

Das 14h às 16h – Banho de Cheiro com os Babalorixás e Ialorixás e a Ala das Baianas;
16h – Baile Infantil
20h às 22h – Festa do Povão com as seguintes atrações: Banda Cara do Samba, Geraldo Show, Banda do Dorinho, Marcelo Kará, Negro Barulho, João Sete, Paulinho do Banjo e a super participação especial do Jajá que está de volta para alegrar o nosso carnaval.
Outros convidados estão sendo confirmados e poderão completar as atrações.

O carnaval da Rua do Perdão “é o espaço para o povo brincar e festejar a grande festa popular que é o carnaval, serve como referencial de resistência a massiva comercialização do carnaval” afirma Pernambuco.
Portanto esta aí a dica para que todos os foliões antigos e novos participem e deixem extravasar sua alegria.

Serviço:
O quê ?: Carnaval da Rua do Perdão
Quando? Terça-feira – dia 05 de fevereiro
Horário: a partir das 14h.


Está dado o recado, quem ficar em Porto e quiser participar é só chegar ! Vamos voltar aos bons tempos, vamos lá Adroaldo Correa, venha com a fantasia vermelho e branco da Imperadores do Samba!
" Somos a Memória que não se Cala!"
Axé

quarta-feira

Balançando numa noite muito quente....


Olá navegadores e internautas insones...

Olá pessoal navegantes de uma vida boa ...

Olá internautas, pesquisadores, sonâmbulos...

Alô adoradoras da Lua ( quase sempre nua...)

Olá gente que anda pelos cantos, desencantos...

Gente que canta, gente que chora...

Gente que adora Viver e da Vida não tem medo ...

Ame mais, viva mais, cante mais !

A vida exige Atitude !

Axé

Somos a Memória que não se Cala !
Exija respeito !
Abaixo o Preconceito, Preconceito é Crime !

É Carnaval e dor na terra do Sol ....


Pessoal, estou com saudades, muitas, de todos os navegadores deste blog.
Estou trabalhando bastante, por isso tenho me ausentado e mandado alguns recados curtos. Mas serviu também para publicar algumas notas de colegas e amigas nossas.
Mas gente o que é que está acontecendo nesse mundão de todas nós ?
Mulheres e Mães se coloquem em alerta - estão matando mais e mais, crianças saiam da sala !
Em Recife, bela capital do Frevo e de um povo alegre e trabalhador, mataram um menino a pauladas, em pleno ensaio do bloco do seu bairro, pode ??????
E o mais terrível de tudo, os policiais, segundo boletim da Globo, estavam em treinamento!!!
Que o Orixá Xangô, Sobô Deí, nos devolva o equilibrio e console sua irmã que em lágrimas tenta reconhecer os assassinos, puxa vida que Carnaval teremos??????????
Lamentamos muito !
Mais do que isso, exigimos apuração imediata !
Abaixo a Violência e o Preconceito !
Somos a Memória que não se Cala !

segunda-feira

Reunião Extraordinária de Diretoria e Conselho Fiscal do Bloco da Bacalhoa

Reunião Extraordinária
de Diretoria e Conselho Fiscal do Bloco da Bacalhoa

Convocamos os senhores membros da Diretoria e Conselho Fiscal da Associação Recreativa e Cultural Bloco da Bacalho para Reunião que ocorrerá nessa próxima quarta-feira, dia 09 de janeiro de 2008, às 18 horas e 30 minutos, no Lui's Bar, parada 48.

Pauta:
Desfile de Carnaval 2008


Recado da vice: Aqui a gente fala!!! Mandei o recado mas a agenda apertada não me deixou comparecer.

Beijos, Klau!!!

sexta-feira

O Axé !

O Axé !

“ Nos terreiros de Batuque, que recriam no interior da cultura (afrodescendente) ou afro-brasileira, a preservação e a presença dos Deuses na visão, na vida e no espírito dos homens, existe um fundamento material e sagrado, constituído por substâncias minerais, vegetais e animais, que “ é plantado”, “ assentado”, tal como uma semente, em escavações feitas no chão do terreiro, barracão, ou Ylê, quando da sua fundação.
Se diz então em “ plantar o axé”, o que significa plantar a força sagrada no próprio espaço, chão do templo, ou local do culto.
O Axé que é energia, flui entre todos os seres da natureza, vai então crescer e desenvolver-se a partir dos rituais de participação.
Quando novos membros são iniciados, o que é considerado “ Troca de Axé” aumenta o potencial energético de toda a comunidade.”
Meus amigos e navegantes deste blog, voltamos para nos comunicar com esse espírito de troca, de energia e desejar a todos e todas, um excelente ano de 2008.
Desejar Saúde, Prosperidade, Força, Coragem e acima de tudo, que cada um e cada uma possa se encontrar com sua força de ORI !
Que os elementos mais sagrados da nossa tradição, do nosso ritual, possa se renovar nesse ano de XANGÔ, o grande Rei da Justiça, do equilíbrio, da música, da balança e da vida.
Que seu machado possa nos defender de todos os males, kaô kabecilé !
Dizer que temos novidade, que a semente plantada deu frutos, temos agora, uma Rádio no blog, a RÁDIO COTONETE, contribuição valiosa do Marcelo, talentoso, amigo e que de uma maneira diferente contribuí para que o Axé se espalhe, mais e mais.
Viva XANGÔ, Rei do Trovão e da Justiça!
Viva XAPANÃ, Vodum da Terra! Deus da Saúde !
Axé
“ Somos a Memória que não se Cala”